Medicina e Saúde

Estresse como fator para a (in)fertilidade

Estresse como fator para a (in)fertilidade

Acredite ou não, nossos corpos estão equipados para evitar que a concepção ocorra durante períodos de estresse extremo. A presença de adrenalina, o hormônio que é liberado por nosso corpo em momentos de estresse, sinaliza ao nosso corpo que as condições não são ideais para a concepção.

O estresse crônico pode causar falta de libido, bem como uma diminuição na fertilidade geral. Este se tornou um problema tão comum que eles criaram um nome para ele: Disfunção Reprodutiva Induzida por Estresse.

Como o estresse afeta a fertilidade?
Pesquisas recentes nos dizem que o estresse aumenta os níveis de hormônios do estresse, como adrenalina, catecolaminas e cortisol, e que podem interferir no eixo hipotálamo (GnRH) – pituitária (hormônio luteinizante e folículo estimulante) – gônadas (estrógeno e progesterona).

O estresse age no hipotálamo e inibe a liberação do GnRH (hormônio liberador de gonadotrofina), que é responsável pela liberação de hormônios sexuais.

Posteriormente, isso pode suprimir a ovulação em mulheres, reduzir a contagem de espermatozoides nos homens e diminuir a libido em mulheres e homens.
Também pode fazer com que os órgãos-alvo não funcionem mais como antes e, em casos extremos, atrofiem com o tempo e deixem de funcionar.

É muito importante considerar esses fatos se você está tentando engravidar e não obteve resultados.

O alívio do estresse deve fazer parte do plano de concepção de cada casal, mesmo que estejam passando por fertilização in vitro.

Reduzindo o estresse para a fertilidade
Por ter dificuldade em conceber, o estresse pode muito bem ser um fator. Se você fez testes de fertilidade e descobriu que não há nenhuma razão médica para sua infertilidade, é hora de avaliar sua vida e determinar quanto estresse você tem.

Nesse caso, é hora de começar a derrotar esse estresse para ajudar na fertilidade.

Como reduzir o efeito do estresse na fertilidade
1. Reduza o estresse em sua vida. Se não for possível eliminar de vez fatores estressantes, adquira pequenos hábitos que aliviem o estresse.

2. Mude a forma como você reage a situações estressantes. Quando confrontado com uma situação estressante contínua, há apenas uma coisa sobre a qual você tem controle ... como você reage.

Obter o controle de como você reage terá um grande impacto sobre o que acontece dentro de seu corpo quando uma situação estressante se apresenta. Isso requer alguma atenção e prática.

3. Tenha uma prática ou hábitos que o ajudem a reduzir o estresse. Aqui estão algumas sugestões de práticas ou hábitos diários que ajudam a reduzir os efeitos do estresse em sua saúde.

• Certifique-se de que está dormindo tempo suficiente e com qualidade
• Faça uma quantidade adequada de exercícios saudáveis diariamente
• Medite
• Faça exercícios respiratórios como Pranayamas
• Comece a praticar Yoga e alongamentos
• Procure aconselhamento e compartilhe suas queixas
• Consuma ervas e suplementos naturais calmantes
• Faça acupuntura
• Aromatize sua casa como óleo essencial de lavanda
• Tome banhos quentes antes de dormir
• Renda-se e deixe as situações “fluírem” naturalmente

3.  Chás que ajudam com o estresse.
O estresse crônico pode causar desequilíbrio hormonal, diminuição da saúde dos óvulos e espermatozoides, bem como diminuir a libido. Ervas que apoiam uma resposta saudável ao estresse, nutrem o sistema nervoso e apoiam a função endócrina são boas escolhas.
Podemos utilizar ervas do conhecimento popular que tem ação calmante, como camomila, erva cidreira e folha de maracujá (passiflora).

Procure ajuda de um profissional qualificado para a prescrição de ervas especificas para seu caso.

Equipe Oranga Soluções Saudáveis
www.oranga.com.br
Rede social: @orangabr

 

Comentários